And people hurry on so peacefully
A group approach the policeman, he seems so pleased to please them

It’s good to live at least, and I agree
He seemed so pleased at least and it’s so good to live in peace
And Sunday, Monday, years and I agree
(London, London de Caetano Veloso – mas eu prefiro a versão do RPM ;-D)



Nem preciso comentar a minha relação de amor incondicional por Londres. A paixão começou no planejamento da viagem de 1997, para estudar inglês. E foi amor à primeira vista. Incondicional. Já voltei para lá outras 2 vezes. Sempre que puder, voltarei novamente. E se um dia tiver a chance, me mudo para lá com os pequenos, só para viver esta deliciosa rotina.

Sempre me pedem dicas de lá, então organizei um breve roteiro de 5 dias, com atrações que considero como sendo imperdíveis. Mas minha recomendação é uma estadia de pelo menos 10 dias. Se for até lá, vai entender o que eu digo.

Como se tornar “londrino” durante a estada:
– Comprar um ticket de metrô válido para as zonas 1 e 2 por 1 semana e circular pela cidade usando o mapinha que vem anexo. Se quiser arriscar pegar um ônibus não tem problema. O ticket também vale e vai achar facílimo compreender a dinâmica dos pontos de ônibus. Eles funcionam, são pontuais e ainda pode dar a sorte de pegar o famoso ônibus de 2 andares.
– Sobrando uma moeda no bolso? Prove um dos Cadburys das vending machines (máquinas de venda de produtos com moedas) espalhadas pelas estações de metrô.
– As lojinhas de conveniência dos indianos também são ótimas para comprar chocolates.
– Ler um tablóide ou um livro no metrô e se sentir como um londrino típico pela manhã.
– Ir à Harrods e (já que tudo é tãaaaaaaaaaaaaao caro por lá), se esbaldar com os donuts fresquinhos e quentíssimos saindo de uma imensa esteira direto do forno (compre o kit com 6 –  acredite, você vai comer tudo!).
– Voltar de night bus da balada (pegar os ônibus na Trafalgar Square que tem milhares de opções. Mas atenção: antes de sair de casa olhe no ponto de ônibus mais próximo qual é o night bus que passa por lá. Todos têm a informação.


Museus imperdíveis (na minha ordem de preferência, acho que todos eles – exceto o Madame Tusseauds – ainda são gratuitos):
Natural History Museum (entre pela porta oeste do Earth Pavillion, não pela frente, pois é uma entrada linda (digna de muitas fotos), mas não deixe de visitar a ala dos dinossauros, é imperdível!),

British Museum (vá primeiro à ala egípcia, mas não fique muito tempo olhando múmias, senão você não consegue visitar mais nada neste dia e deixa de conhecer um tantão de obras primas da humanidade como a foto acima),
Madamme Tussoud’s Wax Museum (Museu de Cera, mas compre o pacote que inclui também o Planetário, pois é demais! E lee a máquina fotográfica digital para gastar o SD Card todo com fotos engraçadas que ninguém vai querer ver, só você.).


Outros passeios imperdíveis para quem tem pouco tempo:
City Tour – dá para fazer naqueles ônibus de 2 andares sem teto: Big Ben, St. Paul’s Catedral, Buckingham Palace, London Bridge, Picadilly Circus, Green Park, Camdem Town (o mercado de pulgas mais delicioso do planeta);
Balada à noite: estação Convent Garden do metrô. Ao sair desça em direção à Trafalgar Square. No meio da descida tem um lugar cheio de baladinhas. Pergunte pelo “Roadhouse”. Tem musiquinhas legais de dançar e sempre uma ótima banda de rock. Vale checar no site deles antes de ir (http://www.roadhouse.co.uk/ ). O melhor de tudo começa cedo, às 19 horas.
– Se possível, tente comprar ingressos para assistir ao musical “We Will rock you” na Oxford Street. Demais!
– comer cookies quentinhos e cravejados de deliciosos chocolates em lojinhas nas ruas!

Outros passeios que vale ir se der tempo:
Science Museum (fica ao lado do Natural History, mas requer um dia inteiro para ele. A parte das naves espaciais e astronautas é fantástica. Ao final, a lojinha de souvenires é uma atração à parte. Dá vontade de comprar tudo e voltar a ser criança.),
National Gallery (uma das mais fantásticas galerias de artes. Mas entre esta e o British Museum, fico com o segundo.),
London Tower (compre ingressos para conhecer este castelinho em frente à Londo Bridge e não deixe de visitar as câmaras de tortura e as jóias da coroa);
– Em um domingo livre e descomprometido, faça uma caminhada ao longo das margens do rio Tamisa e veja vários artistas de ruas (alugar uma bicicleta também é uma ótima!),
London Aquarium (sei que não é uma atração óbvia de Londres, mas é demais este aquário! Um dos mais divertidos que já fui. Dá para passar a mão em raias),

Tomar chá das 5 no hotel Ritz (caro mas chiquérrrimo! Mulheres só entram de saia ou calça social e sapato),

Onde comer:
– entre num PUB qualquer e peça o Fish and Chips (peixe e batatas fritas) no almoço (no jantar não sei se servem). As cervejas que acompanham costumam ser deliciosas;
– outro restaurante bem gostoso que fomos com o nosso primo Alan é o Nando’s (http://www.nandos.co.uk/index.cfm ) – tem opções bem legais de frango apimentadinho, é originalmente português, mas é uma delícia e vale a pena experimentar;
lanches prontos nas lojinhas de rua para ganhar tempo nos passeios;
comida chinesa no Soho (fomos com as nossas colegas de curso coreanas e comemos bem e pagamos barato. É um passeio legal para ir à noite e curtir as vitrines dos restaurantes também)
tem um Pizza Hut na Piccadilly Circus que em 2005 servia Buffet de saladas e pizzas. Era o melhor custo benefício de refeição (nada de se empanturrar de McDonald’s e Burger King como a maioria dos brasileiros faz)


Na minha opinião modesta não vale a pena gastar muita grana com comida por lá, é tudo caro e ruim. Ou não dei muita sorte. 

Tem muito mais coisa para se fazer, ver, curtir e comprar em Londres, mas estes foi um roteiro básico que montei para minha queria irmã ir passar a Páscoa por lá este ano. Ela falou que vai trazer novas dicas. Assim que me mandar, faço um novo post sobre Londres.

Lá não chove nem faz neblina tanto quanto dizem. Eu sempre dei sorte e peguei tempo bom, mesmo no inverno.

Quero ver você não se apaixonar por Londres.

Anúncios