Aqui estão algumas dicas legais para quem vai a Natal em família, experiências vividas por mim e minha família em mais de 4 viagens.
Natal, a capital do Rio Grande do Norte, tem um clima muito bom. Já fui em diversas épocas do ano e sempre peguei muito calor (algo em torno dos 30 graus celsius) e tempo bom (é a região com mais dias de sol do Brasil), mesmo no “período de chuvas”. As chuvas de lá são rápidas e acabam refrescando o ambiente, o que é muito bem vindo.
Repleto de praias e de uma cultura própria, com seus passeios em dunas, muitas fazendas de camarão e água de coco, cajueiros perfumados, rendas e um povo para lá de hospitaleiro, o estado e sua capital são um dos meus lugares preferidos para fazer turismo.
As praias são lindas, com areia douradinha, muita vida, falésias e mar azul. No litoral todo venta bastante, acredito que seja porque estamos perto de onde “o mapa do Brasil faz a curva” para a face norte, pegando algumas correntes de vento do alto mar. As correntes do mar também achei bem fortes, bem como as ondas em algumas praias. Não tenho uma preferida na região urbana, mas costumava pegar sol na Ponta Negra, já que lá é que está a maioria dos hotéis. As minhas prediletas ficam mais afastadas, em São Miguel do Gostoso e Pipa, mas as de Natal também são muito boas.
Natal vai receber jogos da Copa e está bastante organizada para isso, com um site muito bacana com boas dicas e orientações.
Operadoras locais: http://turismo.natal.rn.gov.br/operadoras-turismo.php (eu já usei algumas vezes a Luck Tur, e achei muito boa, com preços justos, pontualidade e qualidade)
Passeio de bugue pelas Dunas
O passeio mais famoso de Natal é o de bugue pelas Dunas de Genipabu e todas as praias/atrações no caminho em direção ao norte do estado. Geralmente os roteiros começam com os bugueiros buscando os turistas nos hotéis, em horário combinado, e segue pelas dunas e praias até Jacumá ou Muriu. Diversas lagoas são visitadas e algumas delas permitem mergulhos. Em diversos pontos é possível parar para fazer fotos e para se refrescar.
Atenção: existem as dunas fixas e as dunas móveis, além das dunas das praias do litoral norte. Combine o trajeto e a duração total do passeio com o bugueiro antes de sair. Alguns passeios opcionais a serem contratados na hora são: Sky bunda (prancha de snowboard nas dunas), Aero bunda (espécie de tirolesa), passeio e fotos nos Dromedários, Caiaque, Pedalinhos e descanso em alguns parques.
É muito importante contratar somente bugueiros credenciados (Cadastur), por conta da segurança e experiência necessários para se percorrer as dunas.
O ideal é fechar um buggy só para a família, dando ao grupo familiar mais controle sobre o que será feito e o grau de “emoção” que se quer durante o passeio (além de poder escolher onde parar por mais ou menos tempo). Caso contrário as operadoras acomodam as pessoas aleatoriamente nos veículos.
Outra dica: os restaurantes que os bugueiros sugerem são muito “turísticos” e não necessariamente os melhores, já que eles ganham comissão para indicar os turistas. Pesquise antes onde quer almoçar para escolher aqueles lugares com bons exemplos da culinária local. Veja mais dicas abaixo.
O Guia Quatro Rodas recomenda “O maior cajueiro do mundo não pode ficar de fora do seu roteiro (de bugue). Aproveite a visita para almoçar logo ali ao lado, no estrelado (restaurante) Paçoca de Pilão, onde é servido o prato que dá nome à casa.”. Já está na minha lista das próximas atrações que quero visitar.
Parrachos de Maracajaú (em Maxaranguape)
É o meu destino preferido na região. Imagine entrar 7 quilômetros adentro em direção ao alto-mar. Só que ao invés de encontrar águas profundas em todos os lados, você se depara com uma extraordinária formação de recifes de corais, repletos de piscinas naturais com águas quentes. Um aquário onde é possível mergulhar e encontrar peixes, moluscos, crustáceos, entre outras espécies marinhas (já vi moreia, lagosta e muitos, muitos tipos diferentes de peixes). E não precisa ser mergulhador. Isso tudo é visível apenas com óculos, snorkel e um par de nadadeiras. Este paraíso fica dentro de uma Área de Preservação Ambiental dos Recifes de Corais (APARC), portanto somente com empresas credenciadas e conhecedoras das normas podem levar as pessoas até o local.
Para chegar lá, é importante ligar antes para saber qual o período de maré (já que só é possível a visita durante a maré baixa), e portanto horários dos passeios. Já fui de lancha rápida e de catamarã. Ambas experiências foram muito boas.
Apesar de algumas operadoras de turismo local sugerirem o passeio de bugue, eu recomendo que as pessoas aluguem um carro e sigam até lá, para terem mais disposição e cansarem menos com o passeio (de bugue é um pouco enfadonho). Não tem erro: siga pela nova ponte Forte-Redinha em direção ao norte, e depois pela BR-101 (as placas ajudam a encontrar o caminho facilmente). Fica a 60 km do Centro de Natal.
Amo este belíssimo pedaço do paraíso em pleno Rio Grande do Norte e recomendo fortemente para quem curte este tipo de passeio. Confira algumas fotos no Google.
Preços de R$ 70,00 a R$ 85,00 por pessoa (catamarã ou lancha, respectivamente).
Ma-Noa Park
Já que foi até Maracajaú, que tal aproveitar o restante do dia num parque aquático? Eu não conheci (até porque para mim os Parrachos de Maracajaú são O Parque para minha diversão), mas dizem que é muito legal, e as crianças adoram. Lá tem uma imensa piscina de 600 m² com cascatas e hidromassagem, bar molhado, rio com correnteza para passeio com boias, parque aquático adulto e infantil e facilidades como estacionamento, vestiários, restaurantes e quiosques.
Ingresso promocional a R$ 45,00 por pessoa.
Praia dos Artistas
Sempre venho aqui para comprar castanha de caju (apesar de que nos supermercados locais também tem e às vezes é até mais barato), cachaças com frutas, cocadinhas e outras coisinhas típicas locais.
Um ponto bacana de visitar é o Centro de Artesanato, localizado na Praia dos Artistas com várias lojinhas e lugar para estacionar. Vale a visita com tempo para garimpar.
Um link interessante para se ter uma ideia do local é este aqui: http://www.natalonline.com/passeios/56/centro_de_artesanato_da_praia_dos_artistas/
Onde e o que comer
Natal tem uma culinária maravilhosa: lagostas, camarões, peixes sempre frescos, culinária nordestina e uma infinidade de delícias e tentações.
O Mangai foi uma bela surpresa que me foi apresentada por um conhecido que mora em Natal. Além de super grande e rápido, tinha sucos deliciosos e era possível experimentar de tudo um pouco e ainda repetir quantas vezes quisesse. Haja prato para tantas opções! Lá é tudo a quilo, e a comida de primeira. Vale muito a pena.
O Camarões é um dos mais gostosos do planeta, e sempre acabo indo lá comer pratos que levam o ingrediente que dá nome ao restaurante. Escolho, escolho, escolho e sempre como os camarões ao catupiry. Deliciosos e irresistíveis.
Um passeio que não fiz mas que me deixou curiosa é a visita ao Taverna Pub, bar que fica junto do hostel mais charmoso do Brasil, o Hostel Lua Cheia (Ponta Negra, site http://www.luacheia.com.br/). Lembro de ter ido a um bar pertinho dele, na mesma rua, onde tomei uma incrível batidinha de banana que era deliciosa (falando sério, tomei umas duas, pelo menos), enquanto admirava aquele lindo castelinho e o vai-e-vém de turistas e famílias do hostel. Deu uma inveja e sempre fiquei com vontade de me hospedar lá.
História e cultura
Fala sério: você não está indo para Natal, terra do sol e de praias paradisíacas, para ficar fechado dentro de um museu. Mas garanto que os passeios culturais da cidade são muito bacanas. O Forte dos Reis Magos é um deles e vale um final de tarde por lá, para fazer umas fotos e ainda conhecer mais sobre a história local. No site que citei no início deste post, há mais atrações culturais para se fazer por lá.
Redondezas
Para quem tiver mais tempo, eu recomendo a visita a Pipa (no sul, a cerca de 1 hora e meia de Natal) ou São Miguel do Gostoso (no norte, também a cerca de 1 hora e meia de Natal). Clique no link abaixo para saber mais a respeito destes deliciosos paraísos em posts que fiz anteriormente.
E se chover muito ou se sentir falta do ar condicionado, lá tem muitos shoppings com cinemas, games e todo o tipo de fast food e loja.